notícias

Após aprovação em comissão, número de deputados indecisos dobra no Placar da Previdência

Após aprovação em comissão, número de deputados indecisos dobra no Placar da Previdência

11

maio

Após a conclusão da votação do texto da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, mais do que dobrou o número de deputados que optaram por não divulgar posicionamento sobre o texto. 202 parlamentares preferiram não abrir o voto. Desses, 57 afirmaram ainda estarem indecisos sobre a atual proposta. No último levantamento, realizado antes da divulgação do parecer do relator Arthur de Oliveira Maia (PPS-BA), 99 políticos não se posicionaram. O aumento dos indecisos foi acompanhado de uma queda entre os deputados que se declararam contra ou a favor à reforma. Entre os opositores da proposta, o número caiu de 276 para 225; entre os favoráveis, de 100 para 83. Outros dois deputados não foram localizados por estarem em licença médica. Para ser aprovado no plenário da Câmara, a PEC precisa de 308 votos, o equivalente a três quintos dos 513 deputados, e precisa ser apreciada em dois turnos de votação.   A maioria dos deputados que optou por não anunciar posicionamento sobre a reforma afirma ainda estar estudando o texto e acredita que a proposta deverá sofrer novas modificações durante a apreciação no plenário. Nos bastidores, parlamentares temem rejeição de eleitores à reforma e admitem que o governo precisa melhorar sua estratégia de comunicação. Na Câmara, contudo, o clima entre as lideranças da base é de confiança que o alto número de votos não declarados podem ser revertidos. Parlamentares próximos ao Palácio do Planalto revelam que a meta é de 330 votos favoráveis até o dia da votação no plenário. “Eu tenho certeza que isso ainda se deve a um desconhecimento do texto, na medida em que for construindo um conhecimento, isso vai mudar”, afirmou o relator da proposta, Oliveira Maia. O deputado Danilo Forte (PSB-CE) ressaltou que os números de indecisos e não quiseram responder está alto pelo jogo de troca de favores que há no momento. Segundo o deputado, os políticos tendem a esconder o voto para evitar o desgaste com o eleitorado e com os sindicatos, que estão mobilizados. “Chegam a agredir os parlamentares nos seus Estados. Há deputados que, para evitar essas situações, preferem votar contra ou não emitir opiniões”, disse.   A oposição criticou a forma com que o governo vem conduzindo as negociações para chegar ao número suficiente de votos para aprovar a reforma: “Muitos parlamentares da base do governo estão fazendo um cálculo político eleitoral. Eles estão vendo se o governo dá para esses parlamentares emendas e cargos, mas eles sabem que votar uma reforma dessa vai prejudicar a vida de milhões de brasileiros”, disse o líder do PSOL na Câmara, Glauber Braga.

visitante

3 4 9 5 4

envie seu comentário...

Opps! preencha corretamente os dados

enviar

peça seu som...

Opps! preencha corretamente os dados

enviar